Quinta-feira, 8 de Junho de 2006
M.C.V.
Poema
Em todas as ruas te encontro
em todas as ruas te perco
conheço tão bem o teu corpo
sonhei tanto a tua figura
que é de olhos fechados que eu ando
a limitar a tua altura
e bebo a água e sorvo o ar
que te atravessou a cintura
tanto tão perto tão real
que o meu corpo se transfigura
e toca o seu próprio elemento
num corpo que já não é seu
num rio que desapareceu
onde um braço teu me procura
Em todas as ruas te encontro
em todas as ruas te perco
Mário Cesariny in Pena Capital


publicado por Ricardo Cataluna às 11:54
link do post | comentar | favorito

2 comentários:
De RCataluna a 9 de Junho de 2006 às 20:24
Trequita:

É verdade. Cesariny é um dos meus poetas preferidos.

O Blogger não está com problemas, está com muitos problemas...

Bom fim-de-semana!


De Trequita a 9 de Junho de 2006 às 15:34
poema muito lindo.
Estou a tentar fazer um comentário há alguns dias mas está difícial o blogger está com problemas:)


Comentar post

Contacto
Mail
O meu perfil
pesquisar
 
Posts Recentes

Ponto final

Vindo de quem vem, é supo...

Guia de resgate

Este vai longe...

Fim do terror (?)

Dose Dupla:Soundgarden/Ni...

Blog novo

Espírito de Exigência

Em exibição

Dose Dupla: R.E.M (Mais v...

Arquivos
tags

todas as tags

Favoritos

A Inquisição voltou. Nós ...

Links
subscrever feeds