Segunda-feira, 5 de Março de 2007
A "Cunhalização" do CDS/PP
Foto: SIC
- Paulo Portas está de "regresso" à vida política (mas ele chegou a sair?). Numa declaração proferida na semana que passou, o ex-director do Independente pretende disputar a liderança do CDS/PP. Muito provavelmente irá ganhar pelos seguintes motivos: a ausência (Bruxelas) e alguma falta de jeito de Ribeiro e Castro; o PP de hoje é, ainda, um partido formado à imagem de Portas - Pacheco Pereira descreve-o como um partido unipessoal, em que o tudo começa, passa e acaba na acção do seu "líder natural".
Na minha opinião, o CDS/PP está a passar por uma fase de "Cunhalização". Passo a explicar: na mesma medida em que o PCP sofreu com o afastamento de Cunhal, do seu líder natural, carismático e mítico, e em que qualquer sucessor sofria do complexo "por muito bom que seja, não é como...", o CDS sofre também disso com uma agravante - o PCP é um partido com um aparelho único, com militantes muito fiéis e (ainda) com grande implantação local; o CDS/PP é inexistente autarquicamente.
O perigo deste tipo de liderança é deixar os partidos reféns das directrizes do líder (Cunhal, demasiado convicto; Portas, demasiado ziguezagueante), tornando difícil a integração de novos militantes, esvaziando os partidos e tratando aqueles que pensam de maneira diferente como um alvo a abater - veja-se o caso dos dissidentes do PC ou dos elementos que formaram a Nova Democracia.

tags:

publicado por Ricardo Cataluna às 01:17
link do post | comentar | favorito

Contacto
Mail
O meu perfil
pesquisar
 
Posts Recentes

Ponto final

Vindo de quem vem, é supo...

Guia de resgate

Este vai longe...

Fim do terror (?)

Dose Dupla:Soundgarden/Ni...

Blog novo

Espírito de Exigência

Em exibição

Dose Dupla: R.E.M (Mais v...

Arquivos
tags

todas as tags

Favoritos

A Inquisição voltou. Nós ...

Links
subscrever feeds